Vírgula-imagem ::: Marcelo Terça-Nada!

16.05.08

QG do Gia em Salvador

por Marcelo Terça-Nada!

Meus queridos amigos do GIA mandam avisar que o projeto QG está em pleno funcionamento no MAM de Salvador até o dia 25 de Maio.

Vão acontecer diversas intervenções, além oficinas e debates com participação de Paulo Bruscky (PE), Luis Parras (BA), Maria Iñigo (Espanha), Alejandra Muñoz (UFBA, MAM) e Tininha Llanos (Cultura Digital, Descentro, Mimosa).

Como eles dizem: Acredite em suas ações

A programação completa e mais informações estão no site:
http://qgdogia.blogspot.com/

Programação Detalhada dos Bate-Papos

dia 15/05 – Paulo Bruscky (PE), Luis Parras – mediação – (BA)

dia 16/05 – Maria Iñigo (Espanha), GIA – mediação (BA)

TEMA 1 – “Experimentalismo em Espaço Público”

Os anos 60 e 70 do século XX foram determinantes e explosivos em relação às práticas artísticas contemporâneas. Isto porque, além da procura de novos espaços para proposições artísticas, é nessa época que as intervenções urbanas se desenvolvem com uma força maior; novas tecnologias entram em cena para instigar o espírito investigativo/criativo de vários artistas. Porém, essa ânsia por novas proposições estéticas, da qual fez parte o pernambucano Paulo Bruscky, ainda está sendo absorvida e assimilada, nos dias de hoje, não apenas pelos “especializados” em arte, como críticos e historiadores, como também pela população em geral, que ainda se depara com situações em que uma nova “visão artística” se faz necessária para o seu entendimento, talvez uma nova sensibilidade… A prática artística coletiva, sem dúvida, faz parte desse cenário artístico inusitado, que convida a população a refletir, numa espera mais ampla, sobre as possíveis relações entre arte, política e a rua. É esse o ponto de tangência entre o Gia, a poética de Paulo Bruscky e as experiências de Maria Iñigo, e talvez esse seja um ponto interessante gerador de novas discussões no QG do GIA.

dia 24/05 – Alejandra Muñoz (UFBA, MAM) e Tininha Llanos (Cultura Digital, Descentro, Mimosa)

TEMA 2 – “O que é que eu tô fazendo aqui? A incorporação do publico nos processos artísticos na era da informação.”

O interesse desse bate-papo é abarcar pesquisas contemporâneas da arte que tocam a incorporação do publico nos processos artísticos. O pensamento proposto não é “o publico percebendo o processo”, mas a incorporação do publico sem que ele tenha que necessariamente saber se o que está consumindo é arte ou experiência.

Compartilhe:

Deixe um Comentário

Obrigatório

Obrigatório, (não aparecerá no site)

Algumas tags de HTML permitidas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Trackback this post  |  Inscreva-se para acompanhar os comentários via RSS Feed

<< Texto anterior: Fora do Eixo: circuitos em arte
Próximo texto: Bate papo: Como falar sobre “Coletivos Artísticos” sem cair em jargões? >>



© Copyleft 2017 Vírgula-Imagem :: Marcelo Terça-Nada. Alguns direitos reservados.
Feito e mantido com o software livre WordPress . Obrigado pela visita! Fazer login