Seminário internacional “Cidade Arquitetura Informal”


Vazio S/A organizou um seminário internacional com o objetivo de discutir a arquitetura brasileira contemporânea junto aos melhores arquitetos sul-americanos de hoje. Cidade Arquitetura Informal é parte integrante do Verão Arte Contemporânea (13/jan a 12/fev), um festival em sua sexta edição que, além de eventos de música, dança, literatura e teatro, este ano inclui também arquitetura em sua programação. A intenção do seminário é discutir o que acontece no Brasil com outros arquitetos da América Latina, uma região que, depois de décadas de estagnação econômica, hoje produz uma das arquiteturas mais vibrantes e inovadoras do planeta.

Seminário Internacional
Cidade Arquitetura Informal
Festival Verão Arte Contemporânea
Teatro Oi Futuro – Av. Afonso Pena 4001
Belo Horizonte, Brasil
3-4 fevereiro
Curadoria: Carlos Teixeira (Vazio S/A) 

O Brasil é ainda um país engessado pelas glórias do seu modernismo: seus heróis modernos acabaram por criar mais âncoras do que sopros, mais presídios que incubadoras. Todos nós sabemos que a cidade de hoje é muito mais informal do que queriam os modernos, menos controlada que querem seus planejadores, e absolutamente alheia aos esforços de organização que não a consideram por completo. No entanto, numa época onde a crítica ao modernismo é lugar comum em bienais de arte e na arquitetura internacional, o país permanece como continuador de uma tradição anacrônica.

Cidade Arquitetura Informal procura discutir a cidade não como algo sob o controle de práticas deterministas e estilos passados, mas como sistemas que devem ser vistos junto à informalidade e desordem que hoje marcam não apenas as cidades latino-americanas, mas todas as grandes cidades tanto de países desenvolvidos quanto de países emergentes. Pela primeira vez em muitas e muitas décadas, parece haver na América Latina qualquer sinal de que há algo que pode ser visto como um outro processo de modernização e uma nova vanguarda no continente. Governos com recursos, ao lado de práticas privadas, têm desenvolvido abordagens inovadoras na arquitetura e no desenho urbano, ambas mostrando estratégias que tem menos a ver com os esquemas utópicos e mais com o conceito de acupuntura urbana; com novas práticas formais; trabalhando dentro da informalidade e focando as diferentes partes da cidade.

Por esta razão, este seminário procura pautar o que há de novo na América Latina, discutindo o estado da arquitetura no Brasil junto aos melhores atores latino-americanos contemporâneos.

Programação
> 03/fev Sexta-feira

19h Informalidade e Arquitetura Hoje
Natacha Rena, BH: Projeto Asas + Deseja.ca
Flavio Agostini (M3 Arquitetura) e Alexandre Campos, BH: Parque H3O
Federico Mesa (plan:b arquitectos), Colômbia: A Revolução de Medellin
Moderador: Carlos Teixeira

> 04/fev Sábado

9h Panoramas da Cidade Contemporânea
Marta Bogéa, SP: Território: Paisagens Justapostas: Colagens
Roberto Andrés (Superfície.org), BH: Arquitetura e Interesse Público
Ana Rascovsky (Ana Rascovisky Arqs./Supersudaca), Argentina: Arquitetura e Paisagem
Moderador: a definir

11:45h Nova Arquitetura Latino-Americana
Bruno Campos (BCMF Arquitetos), BH: Novo Mineirão/Projeto Executivo
Marcio Gibram e Karine Oliveira (PMBH), BH: Programa Vila Viva
Mauricio Pezo (Pezo & von Ellrichshausen Architects), Chile: Arquitetura Absoluta
Moderador: Carlos Alberto Maciel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *